Conecte-se Conosco

Tecnologia

Yahoo Respostas é desativado nesta terça-feira

Serviço funcionou por 16 anos respondendo a dúvidas diversas. Usuários podem baixar os seus dados antes do dia 30 de junho.

Publicado

em

Fotos: Reprodução

O Yahoo Respostas foi desativado nesta terça-feira (4) após 16 anos tirando as dúvidas mais diversas.

Desde 20 de abril, a plataforma só estava disponível no modo leitura, sem permitir mais perguntas e respostas.

Ao acessar o endereço do serviço “https://br.answers.yahoo.com“, o usuário é redirecionado para a página do comunicado, como mostra a imagem a seguir:

O mesmo ocorre com o acesso do serviço nos Estados Unidos.

Quando o Yahoo anunciou a mudança no início do mês passado, a empresa afirmou que “não haverá alterações em outras propriedades ou serviços ou em sua conta do Yahoo”.

O usuário tem a opção de baixar os seus dados antes do dia 30 de junho neste link. Na segunda (2), a operadora americana Verizon anunciou venda do Yahoo e AOL por US$ 5 bilhões.

Cronograma
. 20 de abril: usuário não poderá postar novas perguntas no Yahoo Respostas ou responder às de outras pessoas.

. 4 de maio: o site não estará mais disponível e, quem acessá-lo, será redirecionado para página inicial do Yahoo.

. 30 de junho: data limite para usuários baixarem seus próprios conteúdos.

Histórico
O Yahoo Respostas foi criado em 2005 e reuniu milhões de perguntas de internautas buscando resolver problemas de informática, de relacionamentos, dúvidas escolares e até mesmo questões filosóficas.

O serviço perdeu relevância nos últimos tempos. A conclusão vem de um e-mail de despedida enviado à funcionários da empresa que afirma que o site “tem ficado menos popular ao longo dos anos”.

A quantidade de informações falsas e teorias conspiratórias que aparecem no site contribuem para a falta de credibilidade da plataforma. O Yahoo afirma que quer investir em “conteúdo confiável de alta qualidade”.

Os usuários terão até o dia 30 de junho para baixar os seus dados – o que inclui as perguntas realizadas, respostas, imagens e listas. Não será possível baixar conteúdos de outras pessoas.

Fonte https://g1.globo.com/tecnologia

Comentários

Tecnologia

Tecnologia 5G: sinal em Curitiba será ativado em 16 de agosto, informa Anatel

Tecnologia promete mais velocidade para baixar e enviar arquivos, reduzir o tempo de resposta entre diferentes dispositivos e tornar as conexões mais estáveis.

Publicado

em

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O sinal da tecnologia 5G será liberado em Curitiba no dia 16 de agosto de 2022, conforme divulgado nesta sexta-feira (12) pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

O chamado “5G puro” é oferecido na faixa de 3,5 gigahertz e a promessa é que ele entregue mais velocidade para baixar e enviar arquivos, reduza o tempo de resposta entre diferentes dispositivos e torne as conexões mais estáveis.

O prazo é de que até 29 de setembro todas as capitais brasileiras tenham o sinal ativado. A primeira ativação do sinal foi feita em Brasília no início de julho.

Em junho, a capital paranaense foi a primeira cidade brasileira a receber uma luminária inteligente com uma antena 5G integrada, de acordo com a prefeitura. Desde então, a tecnologia começou a ser testada pelo programa “Conecta 5G”.

Infográfico mostra vantagens do 5G em relação ao 4G. – Foto: Wagner Magalhães/Arte G1

Instalação
As operadoras, por meio da Siga Antenado – entidade criada por Claro, TIM e Vivo, vencedoras da faixa de 3,5GHz do leilão do 5G –, precisam instalar as torres de comunicação para ativação do 5G e filtros para evitar interferências com outras faixas de frequência.

Também precisam iniciar a distribuição de kits de recepção do novo sinal das TVs parabólicas à população de baixa renda, que tem direito ao serviço.

Após concluírem a instalação de antenas, torres e filtros, as operadoras comunicam o Gaispi, grupo criado pela Anatel para tratar da implantação do 5G. Na sequência, são feitos testes e, se não for verificado problema, o sinal é liberado.

Fonte: https://g1.globo.com/pr

Comentários
Continue lendo

Tecnologia

WhatsApp pode ganhar opção de editar mensagens

Segundo WABetaInfo, o aplicativo está testando uma função que permite mudar o conteúdo que já foi enviado.

Publicado

em

Fotos: Dado Ruvic/Arquivo/Reuters, Reprodução/WABetaInfo e Kayan Albertin/Arte g1

O WhatsApp está testando um recurso que permite editar as mensagens enviadas para contatos. A informação foi divulgada pelo site WABetaInfo na terça-feira (31).

De acordo com a página, o time de desenvolvedores do aplicativo deve apresentar a novidade nas próximas atualizações da versão beta do WhatsApp para Android, iOS e web.

O botão para editar mensagens permite mudar o conteúdo que já foi enviado para corrigir erros de digitação, por exemplo.

Atualmente, os usuários podem apagar mensagens enviadas por engano, mas isso deixa um registro para os contas presentes nas conversas.

O recurso já está presente no Telegram, um dos principais concorrentes do aplicativo da Meta e em aplicativos de comunicação corporativa, caso do Microsoft Teams e do Slack.

Segundo a página, é possível ver a opção disponível em imagens obtidas em uma versão em desenvolvimento do aplicativo para o sistema operacional Android.

Como o recurso ainda está em testes, não existem detalhes sobre quando o botão editar pode chegar aos usuários. Procurado pelo g1, o WhatsApp explica que o site WABetaInfo não é uma fonte oficial e que não comenta boatos.

Recentemente, o aplicativo da Meta anunciou um pacote de novidades que incluíam reações às mensagens, envio de arquivos de até 2GB e aumento do limite de pessoas que podem participar de uma chamada de áudio. Confira:

Fonte: https://g1.globo.com/tecnologia

Comentários
Continue lendo

Tecnologia

Como pedir para o Google remover dados pessoais da busca

Recurso pode fazer com que buscador deixe de mostrar links que levem a informações como CPF, dados bancários, endereço, telefone e e-mail. A exclusão depende de uma avaliação da empresa.

Publicado

em

Fotos: Andrew Kelly/Reuters/Arquivo e Reprodução

A vitrine do Google para outros sites ajuda a encontrar informações na internet, mas é um problema quando dados pessoais estão disponíveis sem o consentimento dos titulares.

Para resolver o problema, a empresa liberou na última quarta-feira (27) um formulário onde usuários podem pedir a remoção de seus dados pessoais. Ele pode ser usado para apagar informações como CPF, números de contas bancárias, endereço, telefone e e-mail das buscas.

O formulário também serve para pedir ao buscador a remoção de itens que envolvam fotos e vídeos íntimos, imagens pornográficas falsas, pornografia relacionada ao nome do usuário, abuso infantil, imagens de pessoas que têm menos de 18 anos, entre outros.

A exclusão não é automática e depende de uma avaliação do Google

Passo a passo para pedir a exclusão de seus dados da busca
. Acesse o formulário criado pelo Google neste link;

. Em “O que você deseja fazer?”, escolha “Remover informações encontradas na Pesquisa Google”;

. Informe que deseja remover informações que estão “Nos resultados de pesquisa do Google e em um website”;

. Indique se você já entrou em contato com o proprietário do site (webmaster) – caso isso tenha sido feito sem sucesso ou o usuário prefira não falar com o site, o Google permitirá continuar o formulário;

. Em seguida, clique em “Informações pessoais, como números de identificação e documentos particulares”.

O que precisa ser incluído no pedido
Depois de indicar que pretende remover dados pessoais da busca, o usuário precisa especificar que tipo de informação quer tirar das buscas. O Google exibe estas opções:

. Dados de contato, como endereço, número de telefone ou endereço de e-mail
. Um número de identificação emitido pelo governo
. Uma conta bancária ou o número de um cartão de crédito
. Assinatura manuscrita e imagens de documentos de identificação
. Um documento médico restrito e pessoal
. Credenciais de login confidenciais

De acordo com a escolha, o Google apresenta uma nova etapa em que usuários devem informar seus dados de contato, incluindo nome, país e e-mail.

O Google também pede para usuários enviarem links de sites e de resultados de busca que exibem os dados pessoais – nos dois casos, é possível enviar até 1.000 URLs. Para facilitar o processamento do pedido, o buscador também solicita capturas de tela das páginas citadas nas listas.

A empresa pode perguntar se a publicação dos dados tem relação com doxxing, ato que se refere ao compartilhamento de informações pessoais com intenções maliciosas, de ameaça ou de assédio.

Remoção não é automática
Ao anunciar a novidade, a empresa explicou que avaliará o conteúdo da página para garantir que a retirada do link da busca não limitará o acesso de outras pessoas a informações úteis.

“Também avaliaremos se o conteúdo aparece como parte do registro público nos sites do governo ou de fontes oficiais. Nesses casos, não faremos remoções”, disse o Google.

“A remoção de conteúdo da Pesquisa Google não o removerá da Internet, e é por isso que você pode entrar em contato diretamente com o site de hospedagem, se estiver à vontade para fazê-lo”, continuou a companhia.

Fonte: https://g1.globo.com/tecnologia

Comentários
Continue lendo

Mais Lidas