Conecte-se Conosco

Esportes

Rogério Caboclo é afastado da presidência da CBF após denúncia de assédio sexual e moral

Dirigente deixa o cargo por 30 dias em determinação da Comissão de Ética da entidade depois de o ge ter revelado acusações de uma funcionária contra o dirigente.

Publicado

em

Fotos: CBF, Reprodução e Genito Junior

Rogério Caboclo, momentaneamente, não é mais presidente da CBF. O dirigente foi afastado por 30 dias, neste domingo, por uma determinação da Comissão de Ética do Futebol Brasileiro, após o ge revelar que uma funcionária da entidade o acusou de assédio sexual e moral.

Ele nega todas as acusações. A CBF foi notificada da decisão e divulgou nota nesta tarde. Informou que o processo vai seguir rito sigiloso. Confira:

“A CBF informa que recebeu na tarde deste domingo, 6, decisão da Comissão de Ética do Futebol Brasileiro suspendendo temporariamente (pelo prazo inicial de 30 dias) o Presidente Rogério Caboclo do exercício de suas funções. Seguindo o Estatuto da entidade, toma posse interinamente, por critério de idade, o vice-presidente Antônio Carlos Nunes de Lima. A decisão é sigilosa e o processo tramitará perante a referida Comissão, com a finalidade de apurar a denúncia apresentada.”

O vice-presidente mais velho, Antônio Carlos Nunes, assume durante o período de afastamento. Uma reunião extraordinária entre os diretores da CBF e os oito vice-presidentes eleitos foi convocada para a manhã de segunda-feira, no Rio de Janeiro.

Pressionado por patrocinadores e outros dirigentes da confederação, Caboclo agora cuidará de sua defesa – ele afirma que nunca cometeu nenhum tipo de assédio e vai provar no processo da Comissão de Ética, criada em 2017 – e sairá de cena no momento de atrito entre comissão técnica e jogadores da seleção brasileira antes da Copa América. Tite e o grupo de atletas prometem se manifestar na terça-feira sobre a realização do torneio no país.

Neste domingo, o apresentador André Rizek, do SporTV, revelou que Rogério Caboclo prometeu ao governo federal trocar Tite por Renato Gaúcho após o jogo contra o Paraguai, terça, pelas Eliminatórias.

Caso de “urgência comprovada”
A decisao em apenas dois dias foi possível pela gravidade das acusações. Isto porque o artigo 143 do estatuto da CBF prevê que a diretoria pode afastar, em caráter preventivo, “qualquer pessoa física ou jurídica direta ou indiretamente vinculada à CBF que infrinja ou tolere que sejam infringidas as normas constantes deste Estatuto ou do Estatuto da FIFA ou da CONMEBOL, bem como as normas contidas na legislação desportiva e nos regulamentos da CBF.”

A Comissão de Ética se reuniu emergencialmente no sábado e analisou as 12 folhas de denúncias da funcionária cerimonialista da CBF. Ela tem poder de sancionar todos envolvidos na esfera do futebol brasileiro, incluindo o presidente da CBF.

Ascensão ao poder aos 46 anos
Vigésimo presidente da CBF, Rogério Langanke Caboclo foi eleito em 2018, mas só assumiu em abril de 2019, aos 46 anos. Filho de Carlos Caboclo, ex-dirigente do São Paulo, ele foi diretor do clube do Morumbi e iniciou sua trajetória na política apadrinhado por Marco Polo Del Nero, na Federação Paulista de Futebol. Advogado e administrador, ele foi diretor executivo na entidade paulista.

Antes das denúncias o atingirem em cheio subiu a escada na CBF depois de ser diretor financeiro de Del Nero, eleito após José Maria Marin. Foi também diretor de relações institucionais do Comitê Olímpico Local da Rio 2016.

O poder começou a ruir de suas mãos quando chegou ao canal da Comissão de Ética da CBF na tarde de sexta-feira e na Diretoria de Governança e Conformidade a denúncia da funcionária. A reportagem do ge mostrava os abusos que teriam ocorrido contra a cerimonialista, autora da denúncia, que detalhou episódios vividos por ela desde abril do ano passado.

No documento, ela afirma ter provas de todos os fatos narrados e pede que o dirigente seja investigado e punido com o afastamento da entidade e, também, pela Justiça Estadual. Conta sofrer constrangimentos em viagens e reuniões com o presidente e na presença de diretores da CBF.

A denúncia que derrubou o presidente
Na denúncia, a funcionária detalha o dia em que o dirigente, após sucessivos comportamentos abusivos, perguntou se ela se “masturbava”. Entre outros episódios de extrema gravidade, segundo a funcionária, Caboclo tentou forçá-la a comer um biscoito de cachorro, chamando-a de “cadela”.

Segundo relato da funcionária, que tem oito anos de CBF, Caboclo fazia consumo de álcool durante o expediente. Ela era obrigada a esconder garrafas no banheiro para que o dirigente pudesse beber sem ser notado. Também cabia a ela recolher as garrafas vazias. Em viagens, era orientada a pedir bebidas alcoólicas para ele nos hotéis – mas marcar o consumo no quarto dela.

Ela detalha um caso ocorrido no dia 9 de março de 2021, na casa do dirigente em São Paulo, onde auxiliava Caboclo em reuniões presenciais e virtuais. Após um dia inteiro de consumo de bebida alcoólica, o dirigente teria chamado a funcionária de “cadelinha”, e em seguida ofereceu biscoitos de cachorro para ela. Como a funcionária o repreendeu, ele então passou a simular latidos.

A funcionária também afirma que Caboclo tentou controlar seus relacionamentos dentro da CBF e pediu que ela mudasse a maneira de se vestir – teria até oferecido dinheiro a ela para comprar novas roupas. Após seguidos episódios, ela pediu licença por motivos de saúde. O presidente da CBF, então, ofereceu um acordo a ela – em troca de dinheiro, ela teria que negar a existência dos abusos e teria que mentir quando fosse perguntada sobre o assunto. Ela recusou e fez a denúncia.

A crise da Copa América
Já faz quase dois meses que a CBF estava em ebulição. Neste período, segundo diversas fontes – presidentes de clubes e de federações estaduais, dirigentes da própria CBF e agentes externos com acesso à cúpula da entidade – o comportamento de Rogério Caboclo ficou ainda mais errático e agressivo.

Nas últimas semanas, enquanto Caboclo lidava com seus próprios problemas, outra crise explodia no futebol sul-americano. A Copa América, prevista para ser disputada na Colômbia e na Argentina, ficou sem sede. A Colômbia não pôde garantir a segurança do torneio por problemas políticos e sociais, e a Argentina desistiu ante o agravamento da pandemia da Covid-19.

No dia 7 de junho, segunda-feira, durante reunião de emergência do Conselho da Conmebol convocada para resolver o que fazer com a Copa América, as duas crises se encontraram. Com o apoio do presidente Jair Bolsonaro, Rogério Caboclo ofereceu o Brasil para abrigar o torneio. Todas associações nacionais de futebol do continente toparam. A Conmebol então anunciou em suas redes sociais: a Copa América será no Brasil. Decisão que refletiu na Granja Comary.

Os atritos com o grupo e com Tite
Ainda na Granja Comary, o presidente da CBF, Rogério Caboclo, fez duas visita à delegação da Seleção. Algo de praxe no seus dois anos à frente da entidade. Desta vez, porém, o clima estava mais próximo daquela da região serrana: frieza no trato e muitas aparências para as câmeras da CBF. No segundo encontro, este solicitado pelos jogadores, não houve registro da comunicação da entidade máxima do futebol nacional.

No domingo passado, Caboclo abraçou Tite, posou risonho para fotos com atletas e seguiu protocolo de amenidades. De noite, a bomba da saída da Copa América da Argentina precedeu o anúncio da segunda pela manhã de que o Brasil receberia a competição mais uma vez.

A surpresa foi geral e criou mal-estar. O apoio – e o respaldo do presidente da República, Jair Bolsonaro -, as cobranças em redes sociais para os jogadores se posicionarem frente às críticas do seu país receber competição rejeitada pela Argentina, no meio de crise de Covid-19, levantou debate na Seleção sobre manifestação dos atletas. Em outras palavras, não queriam se sentir massa de manobra de ninguém.

Frágil, Caboclo causou constrangimento no vestiário da seleção brasileira, quando fez discurso inflamado. O ambiente que já não era leve se tornava insustentável. Sugeriu que ninguém falasse publicamente, o que não aconteceu. Em forma de enigma, Casemiro disse que “todos sabiam da posição” dos jogadores e da comissão técnica, mas só falariam depois da partida do Paraguai.

Comentários

Esportes

Luisa Stefani e Laura Pigossi conseguem virada histórica e levam o bronze no tênis

Dupla feminina brasileira lutou muito sob forte calor e venceu russas por 2 sets a 1 neste sábado após salvar quatro match points. É a primeira medalha olímpica do país na modalidade.

Publicado

em

Fotos: Getty Images, Yara Nardi/Reuters e Rafael Bello/COB

As brasileiras Luisa Stefani e Laura Pigossi fizeram história neste sábado e conquistaram a primeira medalha olímpica do Brasil no tênis. As duas venceram as russas Elena Vesnina e Veronika Kudermetova por 2 sets a 1(4/6, 6/4, 11/9) com uma virada histórica no Ariake Tennis Park e conquistaram o bronze, neste sábado, na disputa de duplas nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

A dupla perdeu o primeiro set após um início ruim, mas reagiu na segunda parcial e chegou a ter 9/5 contra no super tie-break antes de reagir de maneira épica e obter o lugar no pódio: 11/9. Foi a melhor campanha do país no tênis olímpico em todos os tempos. Em Atlanta 1996, Fernando Meligeni havia ficado em quarto lugar na disputa masculina em Atlanta 1996.

“Ainda não caiu a ficha, mas estou muito feliz por jogar minha primeira Olimpíada e conseguir medalha. Jogar ao lado da Lu e representar o Brasil me emociona muito. Ainda não sei o que estou sentindo”, disse Laura Pigossi.

Laura falou da sensação de sair de uma vaga conquistada em cima da hora para o pódio olímpico. A brasileira lembrou de toda dor pela derrota na semifinal para a dupla suíça Bencic/Golubic.

– Nunca deixamos de acreditar que podíamos. Quando recebi a ligação, falei para a Luísa que as últimas seriam as primeiras. Ela riu, mas acreditou. Já tínhamos enfrentado todas as adversárias e sabíamos que era possível. A derrota na semifinal foi muito dolorida, parecia que tinham enfiado uma faca no meu peito. Ainda bem que tivemos um dia para descansar. Tivemos um jogo difícil contra as russas. A Lu teve um ano incrível e queria dar isso para ela, joguei muito por ela, que está levando o tênis do Brasil para outro patamar.

Luisa Stefani também demonstrou o estado de excitação pela medalha conquistada de maneira emocionante:

– Não caiu a ficha do quanto é importante. O importante é o feeling de entrada. Entramos aos 45 do segundo tempo e viemos com o sentimento de dar tudo para representar o tênis do Brasil da melhor maneira e levar essa medalha para casa. Esse sentimento é mútuo de compartilhar esse momento especial.

“Acreditem, meninas. Acreditem muito e trabalhem duro. Li a entrevista de algum esportista, que falou: “Joguem pelo amor e não pelo resultado”. Escrevi isso no meu caderninho e é isso que eu falo para as meninas do Brasil. Se entreguem pelo esporte!”

Muito calor e equilíbrio em quadra
A temperatura não deu muita trégua durante o duelo. Os termômetros ficaram sempre na casa dos 32ºC, com uma sensação térmica de 37ºC.

O começo da partida foi complicado para as brasileiras. Além de assistirem às adversárias confirmarem sem problemas o primeiro game de serviço, acabaram quebradas logo na sequência. Sem perder pontos, as europeias facilmente chegaram a 3/0, com menos de nove minutos.

Uma ligeira reação veio no game seguinte, que durou dez minutos e viu Luisa e Laura lutarem muito para conseguirem confirmar o serviço e reduzirem a desvantagem para 3 a 1. A dupla nacional equilibrou ainda mais as ações e chegou a ter dois break points para voltar de vez para o jogo, mas não os confirmou. Depois de outros dez minutos de game, as russas chegaram a 4/1.

Luisa Stefani confirmou seu saque com solidez para deixar o marcador em 4/2. E o Brasil voltou para o jogo de vez no game seguinte, quando devolveu a quebra de saque (4/3 para as russas). Laura segurou bem a bronca e qualquer ameaça das adversárias para igualar tudo: 4/4.

Vesnina e Kudermetova mantiveram-se à frente do placar (5/4) e jogaram a pressão para o lado das brasileiras. A tática deu certo. Mesmo jogando melhor, Luisa e Laura sofreram a quebra e sucumbiram no primeiro set por 6/4, em 56 minutos.

Mas não havia nada perdido. As duas obtiveram uma quebra de saque logo na abertura do segundo set para abrir 1/0 e sofreram ataque das rivais, mas conseguiram sobreviver e abrir 2/0.

O placar evoluiu sem quebras até o 4/3, quando Luisa e Laura se viram diante de um 0/30, mas não se abalaram e viraram o game. As brasileiras chegaram a ter um set point no saque das oponentes, mas não fecharam.

No 5/4, a chance não passou novamente. Laura segurou bem o saque e a dupla verde-e-amarela fechou a segunda parcial em 6/4, após 52 minutos.

Sangue frio e virada emocionante
A definição ficou para o super tie-break. As russas largaram na frente (1/0), mas logo o Brasil empatou (1/1). Uma dupla falta de Laura recolocou as europeias na dianteira (2/1). E em seguida elas ampliaram o marcador para 3/1, com um voleio de Kudermetova, e chegaram a 4/1.

A situação se complicou de vez quando Vesnina e Kudermetova fizeram 5/1. Um bom voleio de Luisa reduziu o déficit para 5/2. Na sequência, Laura errou uma devolução simples (6/2) e Kudermetova deu uma passada linda para fazer (7/2).

As brasileiras marcaram três pontos seguidos e voltaram a encostar (7/5). Mas um ace de Vesnina e um voleio errado de Luisa deram quatro match points para as russas. Em uma reação incrível, a dupla nacional buscou uma reação e empatou tudo em 9 a 9. Em um ponto com defesas fantásticas, viraram para 10 a 9 e tiveram o match point. Que não desperdiçaram para entrar para a história.

Fonte: https://ge.globo.com/olimpiadas

Comentários
Continue lendo

Esportes

PRO TORK mantém liderança em Cordobés

José Felipe conquistou mais um bom resultado no campeonato tido como um dos mais importantes da modalidade na Argentina.

Publicado

em

Foto: Reprodução

Jose Felipe conquistou mais um bom resultado no Campeonato Cordobés de Motocross, considerado um dos mais importantes da modalidade na Argentina.

A terceira etapa da temporada foi realizada neste fim de semana, dias 17 e 18 de julho, no Villa Nueva MX Park, localizado na cidade de Villa María.

Correndo na categoria principal, a MX1, o piloto patrocinado pela Pro Tork foi o terceiro colocado na primeira bateria e o segundo na prova seguinte, finalizando com o segundo lugar no pódio. O resultado foi suficiente para ele manter a liderança na classificação.

“Fiz péssimas largadas, tive que buscar a recuperação. Em uma pista pequena, se tornou ainda mais difícil. Senti um pouco a pressão de andar em casa, cometi alguns erros. Apesar disso, somei pontos importantes na disputa pelo título. Sigo treinando em busca do meu melhor para a equipe”, explica.

O piloto, mais conhecido em seu país como Tigre, já foi campeão Argentino na classe MX1 em 2013, além de ter sido vice em 2017 e 2018. Seu currículo conta com outras conquistas, como um título chileno e um paraguaio, além de participações no Motocross das Nações, espécie de copa do mundo da modalidade.

A Pro Tork Racing Team tem o apoio da NOS Energy Drink e Sportbay.

Fonte: https://www.npdiario.com.br/

Comentários
Continue lendo

Esportes

Está indo para Roma: Itália vence Inglaterra nos pênaltis e é bi da Euro

Shaw faz gol mais rápido de todas finais, mas Bonucci garante empate no tempo regulamentar. Donnarumma é decisivo mais uma vez com duas defesas, e Azzurra é campeã da Eurocopa.

Publicado

em

Foto: Michael Regan/Reuters

Os ingleses cantam há mais de 20 anos “the football’s coming home” (o futebol está indo para casa), mas vão ter que adiar o sonho novamente. Está indo para Roma. A Itália venceu a Inglaterra nos pênaltis após empate por 1 a 1 no tempo normal e na prorrogação e conquistou a Eurocopa 2020, em Wembley. Shaw fez gol relâmpago para os donos da casa no início do jogo, e Bonucci empatou na segunda etapa. Nas penalidades, Donnarumma brilhou mais uma vez, e a Azzurra ergueu a taça novamente depois de quase 50 anos.

ITÁLIA É BI!
A Itália conquistou a Eurocopa pela segunda vez na história. O primeiro título foi em 1968. A Azzurra também teve dois vices, em 2000 e 2012. A Inglaterra disputou sua primeira decisão do torneio. Os italianos agora estão empatados com a França na segunda posição na lista dos maiores vencedores do torneio. Alemanha e Espanha, ambos com três taças, estão no topo.

GOL RELÂMPAGO E DOMÍNIO ITALIANO
As esperanças da Inglaterra foram renovadas e ampliadas com apenas um minuto e 57 segundos de jogo. Em jogada iniciada por Kane, Trippier cruzou da direita, e Shaw apareceu na ponta esquerda de dentro da área para finalizar de primeira e marcar o gol mais rápido da história das finais de Euro. Mas foi só. Essa foi a única finalização inglesa até os 10 minutos do segundo tempo. A Itália teve mais posse de bola, mas também foi pouco agressiva na primeira etapa.

Visão aérea do gol de Shaw, o mais rápido das finais de Euro (Foto: Carl Recine/Reuters)

Na volta do intervalo, a final ganhou um pouco de emoção. Insigne e Chiesa obrigaram Pickford a fazer boas defesas aos 10 e 16 minutos. Donnarumma, por sua vez, só trabalhou em cabeçada de Stones. Aos 21, veio o empate. Após cobrança de escanteio de Emerson da direita, Verratti acertou a trave em cabeceio, e Bonucci empurrou para as redes: 1 a 1.

Bonucci vibra com o gol de empate da Itália contra a Inglaterra (Foto: Paul Ellis/Reuters)

O domínio italiano seguiu nos minutos finais do tempo regulamentar com a postura retraída da Inglaterra. Em todo o jogo, foram 20 finalizações italianas contra seis ingleses, e 61% de posse de bola para a Azzurra. Mas a prorrogação foi de pouca intensidade. Nenhuma seleção conseguiu ameaçar o rival, e a decisão foi para os pênaltis.

O MELHOR DA EURO DECIDE
Nas cobranças de pênaltis, os dois goleiros brilharam. Donnarumma e Pickford fizeram duas defesas cada. Mas o italiano sorriu no final. Berardi, Bonucci e Bernardeschi converteram para a Azzurra. Kane e Maguire fizeram para a Inglaterra. Belotti e Jorginho pararam no goleiro inglês. Rashford mandou na trave, Sancho e, na última cobrança, Saka, viram o goleiro italiano brilhar. Donnarumma foi o herói da Itália novamente e foi eleito o melhor jogador da Eurocopa!

Goleiro Gianluigi Donnarumma foi eleito o melhor jogador da Eurocopa-2020 (Foto: Reuters)

ENTRARAM PARA COBRAR… E ERRARAM
Gareth Southgate deixou para fazer duas substituições no último minuto da prorrogação. Os jovens Rashford e Sancho entraram na partida justamente para as cobranças de pênaltis. Mas não foram bem. O atacante do Manchester United, que é o batedor oficial da equipe inglesa, mandou na trave direita de Donnarumma. O novo jogador dos Diabos Vermelhos viu o goleiro italiano defender. Além deles, Saka errou no lado inglês.

Rashford lamenta pênalti perdido para a Inglaterra contra a Itália (Foto: Andy Rain/Reuters)

ESTÁ INDO PARA… ROMA
Desde 1996, os ingleses embalam os jogos de sua seleção nas competições oficiais com uma canção chamada “Football’s coming home” (o futebol está vindo para casa), da banda The Lightning Seeds. Desta vez, eles estiveram perto de cumprir o sonho. Mas não foi possível. E o zagueiro Bonucci não perdeu a chance de fazer uma provocação. Após o apito final, ele foi para a câmera e gritou: “It’s coming Rome” (está indo para Roma, a capital italiana).

BRASILEIROS CAMPEÕES
O lateral-esquerdo Emerson Palmieri, o zagueiro Rafael Tolói e o volante Jorginho entraram na lista de brasileiros naturalizados que já foram campeões da Eurocopa. Palmieri e Jorginho, inclusive, estão em uma seleta lista de atletas campeões da Champions e da Euro na mesma temporada.

Jorginho comemora a conquista da Eurocopa-2020 pela seleção italiana: brasileiro foi campeão da Euro e da Champions na mesma temporada (Foto: Getty Images)

Fonte: https://ge.globo.com/futebol/eurocopa

Comentários
Continue lendo

Mais Lidas