Conecte-se Conosco

Economia

Paraná é destaque na produção e exportação de mel

Ortigueira, nos Campos Gerais, concentra a maior produção de mel do Paraná; Maringá, no norte, tem a maior exportadora do produto no Brasil.

Publicado

em

Fotos: RPC/Reprodução

A cidade de Ortigueira, na região dos Campos Gerais do Paraná, concentra a maior produção de mel do estado, com estimativa de ter de 10 a 12 mil colmeias.

O município tem uma das maiores extensões territoriais do estado e os apiários estão em propriedades rurais, matas nativas e de reflorestamento, boa parte em áreas arrendadas.

Segundo o apicultor Rafael Alves, o mel é um dos alimentos mais ricos do mundo. No verão, na época das floradas, as colmeias chegam a ter até 80 mil abelhas cada.

João Lucas é sócio de Rafael e, juntos, são dois dos mais jovens produtores de mel da região. Ambos deixaram o município para estudar, tiveram outras profissões, mas retornaram para a cidade para se dedicar à atividade que já era desenvolvida pela família.

“Meu pai começou a mexer com abelha há mais de vinte anos e eu fui criado na atividade. Devo tudo à apicultura”, contou Rafael.

Formado em comunicação, a história de João Lucas é parecida: “Eu comecei há mais ou menos dois anos. Me formei, mas como meus pais moravam em Ortigueira e trabalhavam com apicultura como atividade secundária, eu vi o potencial de trabalhar com isso.”

Trabalho com colmeias
Para chegar perto das colmeias, os apicultores precisam se paramentar por completo. Eles usam um macacão especial e um kit com botas, luvas e um chapéu com tela de proteção para o rosto.

As abelhas criadas na região são as africanizadas, um cruzamento espécies europeias e africanas, criadas no Brasil, nos anos de 1950. As abelhas desta espécie são mais agressivas, mas, por outro lado, são também mais produtivas.

A apicultura começou em Ortigueira na década de 70 e se tornou uma das principais atividades econômicas do município.

A Empresa Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) calcula que são pelo menos 300 produtores na região.

O mel de Ortigueira foi o primeiro produto do Paraná a receber o registro de denominação de origem, que reconhece características encontradas somente em uma região.

É um mel feito a partir de flores silvestres, como a do capixingui, que floresce de novembro a dezembro e resulta em um mel claro e suave.

Segundo a pesquisadora aposentada do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) Brígida Scholz, ela participou de um estudo que analisou o mel de Ortigueira e o comparou com o de outras regiões.

“O néctar de cada planta é característico, então, a abelha, visitando estas plantas, ela produz um mel característico da planta. A planta reflete toda a condição de ambiente que tem ali, o solo, o clima e a época que floresce”, diz a pesquisadora.

Ela afirma ainda que este tipo de pesquisa ajuda a mostrar a riqueza e a variedade de um produto aparentemente tão simples, como o mel.

“Depois que eu começo a analisar, eu vejo o tanto de história, quanta coisa é necessária pra ter este produto. É um verdadeiro milagre o néctar se transformar num alimento tão interessante”, conclui.

Exportação
Boa parte da produção brasileira de mel é levada para uma empresa que fica em Maringá, no norte do Paraná, que é a maior exportadora de mel do país.

A empresa recebe mel de várias partes do Paraná e de outros 12 estados brasileiros.

Carlos Alberto Domingues, dono da empresa e zootecnista, diz que começou a investir no negócio quando ainda estava na faculdade.

“Nós começamos com o mercado interno. depois, num segundo passo, é que fomos para a exportação”.

No ano passado, a empresa processou mais de nove toneladas de mel, segundo Domingues.

Desse total, oito toneladas foram exportadas em 400 contêineres, que seguiram para os Estados Unidos, o maior comprador, Austrália, Canadá e países europeus.

O zootecnista explicou que os cuidados com o mel exportado são maiores. “Mesmo sendo mel convencional e não o orgânico, tem que ser livre de glifosato, por exemplo.”

O mel que chega na empresa fica armazenado por 40 dias, período em que passa por uma série de testes. Amostras são submetidas a uma rigorosa análise que identifica as características do produto e a qualidade do mel.

Conforme a química Letícia Tabusadani, vários fatores podem impactar a qualidade.

“Nós identificamos se o mel teve interferência externa em relação a exposição à umidade, ao calor, se houve coleta precoce por parte do produtor, etc.”

O mel passa por várias filtragens até que saia dos tanques sem nenhum resíduo. A indústria processa 40 toneladas de mel por dia e ainda outros sub-produtos como própolis, cera e pólen.

Atualmente, a empresa emprega 30 pessoas e Domingues acredita que o mercado brasileiro ainda tem margem para crescimento.

“A China é o maior produtor mundial, mas está com todo o pasto apícola em produção. Não tem mais para onde crescer. Na Argentina, acontece a mesma coisa. O Brasil ainda tem muito espaço. Quando o Brasil começou a exportar, o país produzia 20 mil toneladas. Hoje, passou de 40 mil toneladas, em 20 anos. O que produzir, vende”.

Fonte: https://g1.globo.com/pr

Comentários

Economia

Vendas do varejo encolhem 8,8% na semana do Dia dos Pais; e-commerce cresce 22%

Dados são do Índice Cielo de Varejo Ampliado; vendas de chocolates, vinhos e outros alimentos cresceram em relação a 2019, enquanto que as de vestuário e acessórios encolheram 21%.

Publicado

em

Foto: Reprodução

Em meio à pandemia do novo coronavírus, as vendas do varejo encolheram 8,8% na semana do Dia dos Pais, na comparação com o mesmo período de 2019, segundo dados divulgados pela Cielo nesta terça-feira (11).

Os números da empresa de meio de pagamentos foram mensurados por meio do Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA), que utiliza modelos matemáticos e estatísticos para calcular o desempenho do setor e não leva em conta apenas a base de clientes da companhia.

Apesar do recuo, o número é visto como um sinal de recuperação.

“No começo do isolamento, por volta da terceira semana de março, o faturamento do varejo teve queda de cerca de 50%”, compara o gerente de Inteligência da Cielo, Pedro Lippi.

No Dia das Mães, celebrado no segundo domingo de maio, a queda foi de 26%. Ou seja, os resultados negativos do setor têm sido cada vez menos intensos.

Comércio eletrônico
O faturamento das lojas físicas encolheu 6,7% na semana do Dia dos Pais, enquanto que o do e-commerce saltou 22,2%.

“Mostra que os varejistas estão tendo de achar alternativas para continuar vendendo”, diz Lippi.

Nessa conta do comércio eletrônico, não são levados em conta os números do setor de turismo e transporte, um dos mais atingidos pela crise. Caso fossem considerados, o e-commerce amargaria uma queda de 34,2% na comparação com 2019.

Entre os setores típicos de presentes, o destaque ficou com o varejo alimentício especializado, que inclui as lojas de chocolate e vinho, por exemplo. O segmento aumentou as vendas mesmo em meio à pandemia: alta de 0,9% em relação a 2019.

Cosméticos e higiene pessoal (-16,4%), óticas e joalherias (-16,7%) e vestuários e acessórios (-21%) amargaram quedas de dois dígitos.

Pedro Lippi destaca que os segmentos classificados como essenciais, entre os quais os de supermercados, vêm tendo desempenho superior a 2019 durante a pandemia – comportamento que se repetiu no Dia dos Pais.

“Nesse contexto de crise, ter crescimento em relação ao ano passado já é bem destacável”, diz ele.

Fonte: https://g1.globo.com/economia

Comentários
Continue lendo

Economia

Durante pandemia, Alpargatas tem aumento de vendas de Havaianas no exterior

O crescimento foi sustentado principalmente por desempenho forte nos Estados Unidos, na Europa e na China.

Publicado

em

Foto: Celso Tavares/G1 e Reprodução

Os resultados da Alpargatas no segundo trimestre foram beneficiados pelo crescimento de vendas no mercado internacional e pelo avanço nas vendas on-line no Brasil e no exterior. As vendas internacionais de Havaianas cresceram 12% no segundo trimestre em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Roberto Funari, presidente da Alpargatas, disse que as vendas internacionais representaram 46% da receita líquida da companhia no trimestre, ante 33% de participação no segundo trimestre de 2019. O crescimento foi sustentado principalmente por desempenhos mais fortes nos Estados Unidos, na Europa e na China.

“Parte da aceleração internacional aconteceu também em moeda constante. A operação direta em países que geram melhor resultado contribuiu para o ganho de receita por par maior. A venda on-line também oferece melhor rentabilidade”, afirmou Funari em teleconferência de resultados na manhã desta quarta-feira (5).

O executivo acrescentou que a região Ásia Pacífico representou de 5% a 6% das vendas da companhia. “O grande foco é a China, onde a Alpargatas começou a operar recentemente. Em junho, as vendas on-line na China já atingiram os mesmos níveis da Havaianas.com na Europa, onde a presença da marca é mais madura”, disse.

Funari ponderou, no entanto, que os ganhos na China não foram suficientes para compensar a queda de vendas em outros mercados da Ásia, como Tailândia e Indonésia. Esses países têm a economia voltada para o turismo e ainda enfrentam restrições por causa da pandemia de Covid-19.

“Estamos monitorando a evolução da pandemia na Ásia. O turismo local já voltou na região, mas o turismo internacional ainda não. Além disso, os países da Ásia ainda enfrentam restrições, com fechamento do comércio devido a uma segunda onda da pandemia”, observou Funari.

Vendas on-line de Havaianas sobem 205%
A Alpargatas apresentou crescimento expressivo das vendas on-line no segundo trimestre do ano.

As vendas on-line de Havaianas, incluindo as vendas no site da marca para consumidores e vendas on-line para empresas (B2B), aumentaram 205% no trimestre, em comparação com o mesmo intervalo de 2019. As vendas on-line no site Havaianas.com cresceram 550% no período e as vendas para empresas avançaram 111%.

“O maior destaque desse crescimento foi a China, onde operamos lojas on-line próprias em marketplaces como o Tmall. As vendas digitais estão fortes nas três marcas e é um dos canais que vamos investir”, afirmou Funari.

O executivo acrescentou que a empresa inaugurou no segundo trimestre um novo centro de distribuição em Extrema (MG) para apoiar a estratégia de vendas multicanais da Alpargatas. A empresa também reportou crescimento de 111% nas vendas em marketplaces, como Amazon, Zalando e Netshoes.

A companhia também apresentou avanços nas vendas digitais de suas outras marcas. As vendas on-line da Osklen aumentaram 102% no segundo trimestre, sendo que as vendas no site da marca cresceram 148%. Funari disse que as vendas on-line de Dia dos Namorados aumentaram 400%. “Na Osklen intensificamos as vendas no formato multicanal, com serviços de WhatsApp chat, vendedor digital e uso de inteligência artificial”, disse Funari.

As vendas on-line da Mizuno, por sua vez, avançaram 80%, com destaque para vendas da marca na Netshoes, onde a Mizuno é a segunda maior marca, segundo Funari.

A Alpargatas reportou no segundo trimestre um lucro líquido atribuído aos controladores de R$ 54,3 milhões, alta de 62,7%. A receita líquida teve queda de 19,6%, chegando a R$ 680,5 milhões. A receita da Alpargatas no Brasil encolheu 35,4%, para R$ 364,5 milhões. No mercado internacional, as vendas de Havaianas avançaram 11,7% no trimestre, para R$ 316 milhões. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) atingiu R$ 132,2 milhões, aumento de 28,1%.

Fonte: https://g1.globo.com/economia

Comentários
Continue lendo

Economia

Serasa lança nova campanha para limpar nome por R$ 100

Com a extensão da campanha, empresa estima que mais de 25 milhões de dívidas poderão ser quitadas pelo site da Serasa Limpa Nome.

Publicado

em

Foto: Celso Tavares/G1

A Serasa lançou uma nova campanha que permite que endividados até R$ 1 mil quitem suas dívidas por apenas R$ 100.

Desde a última terça-feira (28), quem tiver débitos entre R$ 200 e R$ 1.000 com as empresas Ativos S.A, Tricard, Santander, Recovery, BMG e credsystem poderão quitá-los por apenas R$ 100.

Com a extensão da campanha, a Serasa estima que mais de 25 milhões de dívidas poderão ser quitadas pelo site da Serasa Limpa Nome. O valor de R$ 100 é valido para qualquer um dos seis parceiros envolvidos.

Para ter acesso, o consumidor precisa acessar o site do Serasa Limpa Nome – que desde abril tem uma nova marca e um novo endereço: www.serasa.com.br. O consumidor também encontra as mesmas condições no aplicativo do Serasa disponível para Android e iOS.

O interessado pode verificar sua situação de crédito por meio do número de CPF.

As agências da Serasa, que fornecem atendimento presencial, permanecem fechadas. Porém, além do site do Serasa Limpa Nome e do app da Serasa, o consumidor também pode regularizar seus débitos financeiros pelo Whatsapp, através do número: (11) 98870-7025. Todos esses canais contam com as mesmas condições de renegociação.

Fonte: https://g1.globo.com/economia

Comentários
Continue lendo

Mais Lidas