Conecte-se Conosco

Esportes

Morre Laudo Natel, ex-presidente do São Paulo e ex-governador do estado

Faleceu nesta segunda-feira de manhã aos 99 anos

Publicado

em

Fotos: Arquivo Histórico do São Paulo

Morreu nesta segunda-feira de manhã aos 99 anos Laudo Natel, ex-presidente do São Paulo, governador do estado e patrono do clube. A causa da morte não foi informada.

Ele e Cícero Pompeu de Toledo, ex-presidente que carrega o nome do estádio, foram os principais
responsáveis pela construção do Morumbi. A casa do São Paulo foi inaugurada ainda incompleta em 1960 e depois finalizada em 1970.

Durante o período da ditadura militar, Laudo Natel foi governador de São Paulo entre 1966 e 1967, quando substituiu Adhemar de Barros, afastado, e depois de 1971 a 1975, à época eleito indiretamente e sem concorrentes ao cargo.

Patrono do São Paulo e conselheiro vitalício do clube, o ex-presidente tem seu nome no Centro de Formações de Atletas Laudo Natel da base, o CT de Cotia (veja a foto da entrada do local abaixo).

Em seu site oficial, o São Paulo divulgou uma nota de pesar:
O São Paulo Futebol Clube informa e lamenta, com imenso pesar, a morte de Laudo Natel, grande Patrono do clube e ex-presidente, aos 99 anos de idade. Natel nos deixou na manhã desta segunda-feira (18), em São Paulo, capital.

Nascido em São Manoel, no interior de São Paulo, no dia 14 de setembro de 1920, Laudo cresceu em família humilde. Menino de fazenda, ele percorria mais de 8 km por dia para completar o estudo primário.

Tornou-se bancário, peregrinando entre agências de várias cidades do estado como Pirajuí, Lins e Marília. Evoluindo e conquistando, dia após dia, destaque em sua profissão, em 1946 mudou-se para a capital paulista, mudando radicalmente não somente a própria vida, como também a do clube pelo qual se apaixonou: o São Paulo Futebol Clube.

Sócio do Tricolor desde que na cidade chegou, Laudo Natel foi apresentado à diretoria do São Paulo, especialmente ao presidente Cícero Pompeu de Toledo, por Luís Campos Aranha, justamente como a peça central de um projeto que revolucionaria o clube. Essa tríade reunida foi fundamental para a construção dos alicerces nos quais hoje se sustenta o Tricolor do Morumbi.

Laudo Natel então se tornou diretor de finanças (à época, tesoureiro), em 1951. Entre as primeiras providências que tomou estão: a divulgação anual e pública do balanço financeiro do clube – o São Paulo foi o primeiro clube no Brasil a tomar tal atitude transparente, mesmo ainda sem nenhuma obrigação legal –, como também a mais controversa de todas: vender o Canindé para abatimento de dívidas e capitalização.

A partir disso, Laudo, Cícero e toda a coletividade são-paulina se lançou no maior empreendimento de um clube brasileiro em toda a história: a construção do maior estádio particular do mundo, desde então. A duras penas e graças, principalmente, a “venda de idéias”, o Morumbi foi erguido em longos 18 anos de construção e 12 de jejum em títulos.

“Foi um milagre de fé, que a gente acreditou. Costumo dizer que, se existe um lema, um título, ao qual possamos batizar o Morumbi, certamente é: Fé e Perseverança.”

Superando a descrença, as dificuldades, a falta de dinheiro e mesmo a boataria, Laudo entregou aos são-paulinos, em 25 de janeiro de 1970, um patrimônio ainda hoje inigualável entre os clubes brasileiros: O Estádio Cícero Pompeu de Toledo.

35 anos depois, o Tricolor batizou o recém-inaugurado CFA de Cotia, em honra a todos os serviços e anos que prestou ao clube, com o nome de Centro de Formação de Atletas Presidente Laudo Natel, o maior projeto patrimonial do São Paulo, após o Morumbi.

A aquele que proporcionou que o sonho se tornasse realidade, nos presenteando com dedicação e trabalho, o São Paulo Futebol Clube presta eternas homenagens.

Serviços prestados ao São Paulo Futebol Clube:
01/03/1952 – 27/04/1954 Diretor Financeiro

20/04/1954 – 15/04/1958 Conselheiro Eleito

27/04/1954 – 17/04/1956 Diretor Financeiro

17/04/1956 – 29/04/1958 1º Tesoureiro

15/04/1958 – 13/04/1962 Conselheiro Eleito

30/04/1958 – 19/04/1960 Presidente da Diretoria

10/06/1958 – 30/04/1964 Membro Nato da Comissão Pró-Estádio

19/04/1960 – 16/04/1962 Presidente da Diretoria

13/04/1962 – 23/04/1966 Conselheiro Eleito

16/04/1962 – 16/04/1964 Presidente da Diretoria

08/05/1962 Intitulado Sócio Benemérito

16/04/1964 – 29/04/1966 Presidente da Diretoria

23/04/1966 – 25/04/1970 Conselheiro Eleito

29/04/1966 – 16/04/1968 Presidente da Diretoria

23/08/1966 Membro Nato da Comissão Pró-Estádio

16/04/1968 – 05/05/1970 Presidente da Diretoria

28/05/1968 – 30/04/1970 Membro Nato da Comissão Pró-Estádio

05/05/1970 – 28/04/1972 Presidente da Diretoria (a)

30/10/1972 Membro Nato do Conselho Consultivo

30/10/1972 Intitulado Grande Patrono

08/05/1973 Empossado Conselheiro Vitalício

31/01/1979 Membro Nato do Conselho Consultivo

04/04/1994 Agraciado com a Ordem da Perseverança São-Paulina

30/04/1996 – 30/04/2000 Consultor da Presidência

24/10/2000 – 30/04/2002 Presidente de Honra da Comissão Pró-Estádio

Fonte: https://globoesporte.globo.com

Comentários

Esportes

GP da Áustria: Bottas vence, e Hamilton é punido em corrida cheia de abandonos e incidentes

Hexacampeão ameaça finlandês mas depois tem toque com Albon na briga pelo segundo lugar e perde cinco segundos.

Publicado

em

Fotos: Getty Images

Numa corrida com nove abandonos, Valtteri Bottas conquistou a vitória na abertura da temporada 2020 da Fórmula 1, na Áustria. O finlandês resistiu a um ataque do companheiro Lewis Hamilton, enquanto o inglês foi punido em cinco segundos por um toque com Alexander Albon e caiu de segundo para quarto.

Com uma excelente atuação mesmo com as limitações da Ferrari, Charles Leclerc cruzou a linha de chegada em terceiro e subiu para segundo, e Lando Norris terminou em quarto e passou para terceiro, fazendo a melhor volta na última e ganhando a posição de Hamilton por menos de um segundo.

Completaram a zona de pontuação, da quinta à décima posições, Carlos Sainz (McLaren), Sergio Pérez (Racing Point), Pierre Gasly (AlphaTauri), Esteban Ocon (Renault), Antonio Giovinazzi (Alfa Romeo) e Sebastian Vettel (Ferrari).

A temporada 2020 segue no próximo fim de semana, com o GP da Estíria, no mesmo circuito de Spielberg.

Protesto antirracista
Antes da prova, os pilotos fizeram um protesto antirracista. Usando camisas pretas com mensagens, os pilotos se perfilaram na linha de chegada. Dos 20 competidores, Max Verstappen, Antonio Giovinazzi, Daniil Kvyat, Carlos Sainz Jr., Charles Leclerc e Kimi Raikkonen não fizeram o símbolo antirracista de se ajoelhar.

Resultado da prova

Foto: Reprodução/FOM

Largada
A largada foi limpa, com Bottas mantendo a liderança sem problemas. Norris largou bem e pressionou Verstappen, que, no entanto, manteve o segundo lugar. Hamilton. Ainda na primeira volta, Pérez foi superado por Leclerc na briga pelo sexto lugar, mas deu o troco.

Fonte: https://globoesporte.globo.com/motor

Comentários
Continue lendo

Esportes

CBF e clubes projetam início de Brasileiro para 8 e 9 de agosto e jogos até fevereiro

Em reunião da Comissão Nacional de Clubes, dirigentes discutem liberações de estádios e possíveis transferências de partidas para cidades sem restrições de jogos

Publicado

em

Foto: Reprodução / CBF

A direção da CBF e os dirigentes de clubes das séries A e B projetaram, em reunião nesta quinta-feira, o início do Campeonato Brasileiro para o fim de semana de 8 e 9 de agosto. Com 38 rodadas mantidas, a edição do Brasileiro 2020 só vai terminar em fevereiro.

A informação da data estipulada para o início da competição foi publicada primeiramente pelo portal “Uol”. Os clubes decidiram ainda que a Copa do Brasil também retorna a partir do fim da segunda semana de agosto.

Às 20h53, a CBF soltou a seguinte nota:

“O campeonato Brasileiro da Série A poderá retornar no dia 9 de agosto, domingo. A Série B tem data prevista de recomeço para 8 de agosto.

A decisão foi tomada na noite desta quinta-feira, em reunião convocada pela CBF junto com a Comissão Nacional de Clubes (CNC) com a participação dos 40 clubes disputantes duas séries.

As datas básicas e o cronograma de retorno foram propostos pelo presidente da CBF, Rogério Caboclo, e apoiadas pelos clubes.

O retorno do futebol depende da autorização das autoridades de saúde. Mas, dezenove dos vinte clubes da Série A se dispuseram a jogar fora das suas cidades, em última instância, caso até lá seus municípios não estejam liberados pelas autoridades de saúde a realizar jogos. Foi um sinal de apoio à realização da competição pela CBF.”

A CBF vai marcar as 38 rodadas do Brasileiro e também as partidas da Copa do Brasil – serão dois jogos por semana, exceção ao espaço das datas Fifas, previstas para voltarem em setembro.

Os clubes deliberaram ainda sobre o mando de campo. Como nem todos clubes podem conseguir autorização de prefeitura para liberar partidas, foi discutida a transferência de jogos para outras cidades, que tenham liberação de realizarem eventos esportivos. Os jogos estão previstos sem público. Neste item, apenas o Athletico-PR votou contra. O clube paranaense está momentaneamente proibido de treinar na capital do estado.

Nova janela de transferências
Nessa quarta-feira, os clubes e a CBF já haviam definido o adiamento da janela de transferências. A primeira janela tinha previsão de abertura para o próximo dia 1º de julho (quarta-feira da outra semana), mas será adiada para o fim de julho e deve terminar no fim de agosto. A segunda janela deve ficar para meados de setembro e outubro. As datas exatas ainda serão definidas pela CBF.

A definição de início de Brasileiro provavelmente vai pegar ainda estaduais em curso. Além das competições regionais, ainda há Libertadores e Sul-Americana para encaixar neste calendário.

Fonte: https://globoesporte.globo.com

Comentários
Continue lendo

Esportes

Vince Carter confirma aposentadoria depois de 22 temporadas na NBA

“Rei das enterradas” anunciou em um podcast, aos 43 anos, o fim de sua carreira. Carter é o jogador que disputou o maior número de temporadas na história da liga

Publicado

em

Fotos: Nathaniel S. Butler/Getty Images e Getty Images

Depois de 22 anos encantando os amantes do basquete com enterradas e lances espetaculares, Vince Carter decidiu que é hora de parar. O anúncio foi feito em um podcast do site The Ringer, na manhã dessa quinta-feira. “Eu parei oficialmente de jogar basquete. Eu parei oficialmente de jogar basquete profissionalmente”, disse Carter.

O agora ex-jogador colecionou em seu currículo honrarias invejáveis: oito vezes selecionado para o Jogo das Estrelas, calouro do ano na temporada 1998-1999, 19º maior cestinha da história, medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Sydney 2000 e campeão do épico torneio de enterradas daquele mesmo ano olímpico.

Vince Carter ainda se despede das quadras com o “título” de jogador que disputou mais temporadas na história da liga, com passagens por Toronto Raptors (1998 a 2004), New Jersey Nets (2004 a 2009), Orlando Magic (2009–2010), Phoenix Suns (2010–2011), Dallas Mavericks (2011–2014), Memphis Grizzlies (2014–2017), Sacramento Kings (2017–2018) e Atlanta Hawks (2018–2020).

Em janeiro desse ano, na vitória do Atlanta Hawks sobre o Indiana Pacers por 116 a 111, Vince Carter se tornou o primeiro jogador da história da liga americana de basquete a atuar em quatro décadas diferentes.

A votação do Conselho de Administração da NBA pela retomada da liga com 22 equipes acabou determinando o “fechamento de cortinas” na carreira do craque, já que o Atlanta Hawks não foi elegível para a “bolha” da Disney por não ter mais chances de classificação aos playoffs.

Diante desse cenário, a oficialização da aposentadoria já era esperada. Em março, à revista Sports Illustrated, o jogador disse que não ficaria chateado se o jogo do dia 11 daquele mês fosse o último de sua carreira em função da pandemia de coronavírus.

O Atlanta Hawks jogou sua última partida da temporada 2019-20 no dia 11 de março. Derrota por 136 a 131 para o New York Knicks, na qual Carter entrou no finalzinho para converter uma bola de três pontos, que seria sua última cesta na NBA. O astro encerra a carreira com médias de 16.7 pontos, 4.3 rebotes e 3.1 assistências.

– Ter feito minha última cesta ajudou a situação. Acho que se eu não tivesse matado aquela última bola, teria sido um pouco diferente. […] Como jogador que joga sua última partida – mesmo que não saiba disso – você sempre quer dizer ‘bem, pelo menos eu fiz o último tiro da minha carreira’. E posso dizer isso, então estou feliz – disse Carter ao participar do podcast.

Fonte: https://globoesporte.globo.com/basquete

Comentários
Continue lendo

Destaque