Conecte-se Conosco

Cinema e TV

Luto na televisão brasileira: morre Rodrigo Rodrigues

Apaixonado por esporte e música, apresentador fez amigos por onde passou e conquistou uma legião de admiradores com bom humor e competência.

Publicado

em

Fotos: Arquivo Pessoal, Instagram e Divulgação

A televisão brasileira está de luto. Aos 45 anos, morreu nesta terça-feira o apresentador Rodrigo Rodrigues, vítima de trombose venosa cerebral decorrente da Covid-19. O jornalista estava internado por complicações do novo coronavírus desde o último sábado na unidade de terapia intensiva do Hospital da Unimed, no Rio de Janeiro.

Com o bom humor característico e a competência indiscutível, Rodrigo Rodrigues deixou sua marca por onde passou. Desde janeiro de 2019 na Globo, o apresentador conquistou a confiança de todos, e diversos colegas logo se tornaram amigos também fora do ambiente de trabalho.

A morte de Rodrigo abre uma ferida que vai muito além do profissional insubstituível. Dentro e fora da Globo, dezenas de pessoas sentem a perda de um amigo. E a família chora a partida de um parente que conquistou uma legião de admiradores.

Rodrigo Rodrigues apresentou o Troca de Passes pela última vez no dia 9 de julho, quando relatou que um amigo com quem tivera contato recente testou positivo. No dia 13, o apresentador fez o exame, que também diagnosticou a Covid-19. Desde então, cumpriu o isolamento em casa, com acompanhamento da equipe médica da Globo.

Inicialmente, apresentou sintomas leves, como falta de paladar e olfato, mas disse que se sentia bem. No entanto, a situação mudou no último sábado, quando deu entrada no hospital com vômitos, desorientação e dor de cabeça.

De acordo com o boletim médico do hospital, foi diagnosticada uma trombose venosa cerebral, e o apresentador passou por uma cirurgia na noite de domingo para aliviar a pressão intracraniana. Nesta terça, porém, ele não resistiu e teve morte encefálica confirmada.

Rodrigo Rodrigues foi um dos grandes nomes da televisão brasileira nas últimas décadas. Iniciou a carreira em 1995, na Rede Vida, embora só fosse ingressar na faculdade de Jornalismo dois anos mais tarde. Em 2001, aceitou um convite da TV Cultura para integrar a equipe do programa “Vitrine”, apresentado por Marcelo Tas. Rodrigo ficou por lá até meados de 2003 e, na sequência, teve passagem curta como repórter no SBT.

Já em 2005, mudou-se para a TV Bandeirantes e, em seguida, retornou para a TV Cultura, desta vez para ancorar o “Cultura-Meio Dia” ao lado de Maria Júlia Coutinho. Ele permaneceu na função até 2010.

Em janeiro de 2011, Rodrigo ingressou na área de onde não sairia mais: o esporte. Assumiu a função de apresentador do “Bate-Bola”, da ESPN Brasil. Ganhou espaço e admiração graças à forma leve e descontraída de transmitir informação aos telespectadores. Entre idas e vindas, passou também pela TV Gazeta, pelo Esporte Interativo e pela Rádio Globo antes de ser contratado pela Globo no início de 2019.

Com carreira consolidada, Rodrigo Rodrigues chegou à equipe de esporte da Globo como reforço de peso. Começou com aparições em diferentes programas do SporTV e apresentou em algumas oportunidades o Globo Esporte de São Paulo. Em agosto, como mais um reconhecimento de sua competência, tornou-se âncora fixo do Troca de Passes.

Rodrigo Rodrigues com os comentaristas Sergio Xavier e Petkovic — Foto: Divulgação

Dentro e fora da televisão, Rodrigo Rodrigues tinha outra paixão que carregava desde a infância: a música. Em participação no “Domingão do Faustão” em março de 2020, ele contou que o interesse pelas artes começou cedo, com o desenho. Na sequência, veio o violão.

Em 2008, Rodrigo montou a banda “The Soundtrackers”, especializada em tocar trilhas de grandes sucessos do cinema. Guitarrista do grupo, ele dividia seu tempo entre o jornalismo e a música. Também encontrava espaço na agenda para escrever livros relacionados ao ambiente musical, como “As Aventuras da Blitz” e “Almanaque da Música Pop no Cinema”.

Na tela ou no palco, Rodrigo Rodrigues desempenhou suas funções com o brilhantismo de um dos gigantes da comunicação brasileira no século 21.

Fonte: https://globoesporte.globo.com/rj

Comentários

Cinema e TV

Chica Xavier, atriz de ‘Sinhá Moça’ e ‘Renascer’, morre aos 88 anos

Atriz estava internada em um hospital no Rio e, segundo o neto, morreu na madrugada deste sábado (8), em consequência de um câncer.

Publicado

em

Fotos: Reprodução/Instagram Luana Xavier, João Miguel Junior/TV Globo, Divulgação/Globo e Márcio de Souza/TV Globo

A atriz Chica Xavier, conhecida por papéis marcantes em novelas como “Sinhá Moça” e “Renascer”, morreu na madrugada deste sábado (8) aos 88 anos, vítima de câncer de pulmão. Ela estava internada no Hospital Vitória, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, e tinha câncer. A morte foi confirmada pelo neto Ernesto Xavier.

Nascida na cidade de Salvador, Francisca Xavier Queiroz de Jesus consagrou-se como atriz de teatro, TV e cinema, ao longo de uma carreira de mais de 60 anos. Destacou-se como um dos maiores símbolos da representatividade negra na arte brasileira.

CARREIRA
Nos palcos, esteve na montagem de 1956 de “Orfeu da Conceição”. Atuou também em novelas como “Dancin’ Days” (1978), “Pátria minha” (1994), “Cara & Coroa” (1995), “O rei do gado” (1996) e “Força de um desejo”. Seu trabalho mais recente na TV foi “Cheias de charme” (2012).

Ao todo, a atriz participou de 26 novelas na TV Globo. Esteve também em 11 minisséries e 10 programas especiais, como Caso Verdade, Caso Especial e Teletema.

Participou ainda de produções no Canal Futura e nas TVs Bandeirantes, Manchete e Educativa.

Chica ainda esteve presente em 11 filmes, entre eles o clássico “O assalto ao trem pagador”, de 1962, dirigido por Roberto Farias.

Fonte: https://g1.globo.com/rj

Comentários
Continue lendo

Cinema e TV

Alan Parker, diretor de ‘Expresso da Meia-Noite’, morre aos 76 anos

Parker morreu na manhã desta sexta-feira (31), em Londres.

Publicado

em

Fotos: Jack Guez/AFP/Arquivo, Twitter @TheAcademy e Carl Court/AFP/Arquivo

Alan Parker, diretor de “O Expresso da Meia-Noite”, “Mississipi em Chamas”, entre outras obras do cinema, morreu aos 76 anos.

Segundo a imprensa internacional, Parker morreu na manhã desta sexta-feira-feira (31), em Londres. O Instituto Britânico de Cinema (British Film Institute), do qual o cineasta é ex-presidente, confirmou a morte. “Estamos profundamente tristes com a morte de Alan Parker nesta manhã”, escreveu a instituição em mensagem no Twitter.

Em comunicado, a família afirmou que Parker morreu após sofrer anos com uma doença, que não foi informada.

CARREIRA
Nascido em Londres, na Inglaterra, Alan iniciou a carreira como redator publicitário, migrando para a direção de comerciais e iniciando seus trabalhos no cinema na década de 1970.

Alan ficou conhecido por seu trabalho em filmes como “Fama”, “A Chama que não Se Apaga” e “The Commitments – Loucos pela Fama”, além do longa “Evita”, estrelado por Madonna, “O Expresso da Meia-Noite”, “Mississipi em Chamas”. Ele também escreveu o livro “Bugsy Malone”, que deu origem ao filme “Quando as Metralhadoras Cospem”, dirigido por ele.

Ao longo da carreira, o diretor foi indicado diversas vezes em prêmiações como Oscar, Bafta e Globo de Ouro. Seu último filme com diretor foi “A Vida de David Gale”, estrelado por Kevin Spacey e Kate Winslet e lançado em 2003.

Em 1984, Parker foi homenageado pela Academia Britânica com prêmio Michael Balcon Award por sua contribuição ao cinema. Em 2013, foi novamente reconhecido por seu trabalho e recebeu o Bafta Fellowship, prêmio entregue pela Academia Britânica de Artes do Cinema e Televisão, em reconhecimento “à contribuição considerável e excepcional ao cinema”.

“Quando você faz seu primeiro filme, tem certeza que será o seu último. E então você aperta os olhos e de repente, quarenta anos depois, você está no Bafta ganhando um prêmio como este”, disse Parker em comunicado ao receber a honraria.

Casado com Lisa Moran-Parker, Parker deixa cinco filhos e sete netos.

Andrew Lloyd Webber, compositor da trilha sonora de “Evita”, lamentou a morte do cineasta. “Muito triste por ouvir a notícia sobre a morte de Alan Parker. Meu amigo e colaborador em ‘Evita’ e um dos poucos diretores que realmente entendiam de musicais no cinema”.

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas também lamentou a morte e citou Alan como um “camaleão”. “Seu trabalho nos entretinha, nos conectava e nos dava um grande senso de tempo e espaço. Um talento extraordinário, sentiremos muita falta.”

Fonte: https://g1.globo.com/pop-arte

Comentários
Continue lendo

Cinema e TV

Morre aos 104 anos Olivia de Havilland, atriz de ‘…E o Vento Levou’

Atriz da era de ouro do cinema, foi imortalizada como Melania no clássico de 1939.

Publicado

em

Fotos: AP Photo/Thibault Camus e Divulgação

Morreu em Paris, aos 104 anos, a atriz Olivia de Havilland. Imortalizada por sua participação em “…E o Vento Levou” (1939), Havilland era conhecida por fazer papéis de mulheres doces e amáveis. Ícone da era de ouro do cinema, ela tem dois Oscar de melhor atriz.

Segundo a revista especializada em cinema “The Hollywood Reporter”, de Havilland morreu de causas naturais em sua casa. Ela fez poucas aparições públicas depois de se aposentar, mas retornou a Hollywood em 2003 para participar da 75ª edição dos Oscar.

Filha de pais ingleses, a atriz nasceu no Japão. Naturalizada norte-americana, cresceu na Califórnia e vivia em Paris desde 1953. Em 2008, recebeu do então presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, a Medalha Nacional pelas Artes. No ano seguinte, narrou o documentário “Alzheimer”.

De Havilland teve dois filhos, Benjamin, de seu primeiro casamento com o escritor Marcus Goodrich e Giselle, com seu segundo marido, o jornalista Pierre Galante.

Sua estreia nos cinemas foi em uma adaptação de 1935 do clássico de Shakespeare “Sonho de Uma Noite de Verão”, dirigido por Max Reinhardt. Na televisão, ela trabalhou na minissérie de 1976 “Roots: The Next Generation”.

Rivalidade com a irmã
Havilland teve uma relação conturbada com sua irmã a também atriz, Joan Fontaine. Em 1942, as duas foram indicadas ao Oscar: Havilland por “A Porta de Ouro” e Fontaine por “Suspeita”, de Alfred Hitchcock. Fontaine levou a estatueta.

Em 2017, Olivia de Havilland, processou os produtores da série de TV “Feud” porque não gostou da forma como foi retratada na série. A trama é sobre a famosa rivalidade entre Joan Crawford e Bette Davis, mas ela perdeu essa disputa.

A atriz não era novata nos meandros da justiça, uma vez que foi uma das primeiras a desafiar e derrotar o todo-poderoso sistema dos grandes estúdios pelas abusivas condições trabalhistas às quais estavam submetidos os artistas da Hollywood clássica.

Montagem mostra imagens de Havilland (à esq.), em 1968, e de Catherine Zeta-Jones interpretando a atriz em cena de ‘Feud’ — Foto: AP e FX via AP

Batalhas com os estúdios
O prestígio da indicação ao Oscar e a popularidade de “O Vento Levou” não deram a Havilland os tipos de papéis que ela queria. Ela costumava recusar as peças que a Warner Bros. oferecia, o que resultou em várias suspensões pelo estúdio.

Em 1943, Havilland declarou que seu contrato de sete anos com a Warner havia expirado, mas o estúdio disse que ainda lhes devia os seis meses que passou em suspensão.

De Havilland venceu no tribunal, enfraquecendo o domínio dos grandes estúdios sobre os atores, limitando os contratos dos atores a sete anos, independentemente do tempo de suspensão. Mas desafiar um estúdio poderoso foi uma jogada arriscada na carreira e ela não fez filmes por três anos.

Havilland fez um retorno triunfante à tela em 1946, com o papel vencedor de um Oscar de mãe solteira em “Só Resta uma Lágrima”. Três anos depois, seu retrato de uma solteirona trouxe outro prêmio da Academia por “A Herdeira”.

Fonte: https://g1.globo.com/pop-arte

Comentários
Continue lendo

Mais Lidas