Conecte-se Conosco

Economia

Copel começa nova etapa do programa de troca de eletrodomésticos com descontos

A partir desta segunda-feira (14), empresa libera novo lote com 4 mil geladeiras, 1 mil freezeres e 1 mil aparelhos de ar-condicionado. Descontos são de 40%, aproximadamente.

Publicado

em

Foto: Reprodução/RPC

A Companhia Paranaense de Energia (Copel) começa nesta segunda-feira (14) uma nova etapa de um programa que incentiva a troca de eletrodomésticos concedendo desconto na compra de novos aparelhos. O projeto começou em fevereiro, com a troca de geladeiras.

Nesta etapa, serão vendidos 4 mil geladeiras, 1 mil freezers e 1 mil aparelhos de ar-condicionado. O desconto é de aproximadamente 40%. O objetivo da campanha é reduzir o consumo de energia elétrica.

Para participar do programa, o consumidor precisa entregar o eletrodoméstico antigo assim que receber o novo aparelho. Além disso, é necessário entregar sete lâmpadas incandescentes ou fluorescentes em funcionamento, que serão substituídas por luminárias de LED.

Veja a seguir outras regras para participar do programa:

. Ser cliente da Copel e estar em dia com as faturas de energia elétrica;
. O comprador precisa ser o titular da unidade consumidora;
. Apresentar documentos como RG, CPF e conta de luz;
. Possuir um eletrodoméstico similar com pelo menos 5 anos de uso para a troca.
. Cada pessoa só é autorizada a comprar um eletrodoméstico em até duas categorias diferentes. No caso do ar-condicionado, a Copel está recebendo apenas aparelhos de janela.

A venda dos produtos está sendo feita pela rede Colombo, pela internet, ou por meio do telefone 0800 642 4242. Há limite de estoque, e as entregas são feitas em até 90 dias após a compra.

Ao todo, a Copel espera substituir 23 mil eletrodomésticos até o fim do programa. Mais de 12 mil trocas já foram feitas.

A companhia informou que os aparelhos recolhidos são descartados de forma ambientalmente correta, com reaproveitamento de resíduos.

Fonte: https://g1.globo.com/pr/

Comentários

Economia

Grupo Pão de Açúcar vende 71 pontos do Extra ao Assaí e deixa segmento de hipermercados

Negócio é avaliado em R$ 5,2 bilhões, dos quais R$ 4 bilhões serão pagos de forma parcelada pelo Assaí até 2024.

Publicado

em

Fotos: Fabiana Assis/G1 e Reprodução

O Grupo Pão de Açúcar (GPA) fechou a venda de 71 pontos comerciais da bandeira Extra Hiper para o Assaí e anunciou que deixará de operar com o modelo de hipermercado no Brasil.

Segundo comunicado divulgado nesta quinta-feira (14), a transação envolve uma valor estimado em R$ 5,2 bilhões, dos quais R$ 4 bilhões serão pagos pelo Assaí, de forma parcelada, entre dezembro deste ano e janeiro de 2024. O R$ 1,2 bilhão restante será pago ao GPA por um fundo imobiliário que tem garantia do Assaí.

As lojas serão convertidas para o formato cash & carry (atacarejo) e passarão a ser operadas pelo Assaí.

“A bandeira Extra Hiper será descontinuada e as lojas não abarcadas pela transação serão convertidas em formatos com maior potencial de rentabilidade”, informou o GPA.

Os 71 pontos comerciais representam cerca de 70% das lojas do Extra Hiper no país. Das outras 32 lojas que ficaram de fora da venda para o Assaí, 28 serão convertidas paras as bandeiras Pão de Açúcar e Mercado Extra, e 4 serão fechadas.

Segundo Jorge Faiçal, CEO do GPA, a saída do segmento de hipermercado visa intensificar o foco e a aceleração da expansão dos negócios de maior rentabilidade da companhia “por meio dos segmentos premium e de proximidade”, através das bandeiras Pão de Açúcar, Minuto e Mercado Extra.

O Assaí abriu 150 lojas na última década, sendo 25 conversões de unidades do Extra Hiper.

Tanto o GPA como o Assaí (Sendas Distribuidora) são empresas sob controle comum do grupo francês Casino. Em março, o Assaí estreou na bolsa de valores brasileira após uma reorganização e cisão dos ativos do Grupo Pão de Açúcar no Brasil.

Segundo o presidente do Assaí, Belmiro Gomes, a companhia viu uma oportunidade única de acelerar sua expansão com a aquisição de lojas do Extra Hiper em um momento de corrida do setor de atacarejo por abertura de lojas.

“Este movimento teve dois eventos neste ano que mudaram a geografia do mercado: o primeiro foi a aquisição do grupo BIG pelo Atacadão, principal concorrente do Assaí e líder do setor”, disse Gomes em teleconferência com analistas.

“Havia na nossa visão um distanciamento que nós precisávamos buscar uma maneira de acelerar nossa expansão de forma rentável”, disse o executivo. “O ativo que nos parecia mais vital para isso era o parque de lojas do Extra Hipermercado”, concluiu, citando fatores como baixa sobreposição de lojas, velocidade de incorporação dos pontos e custo de reforma para o formato de atacarejo.

Fonte: https://g1.globo.com/economia

Comentários
Continue lendo

Economia

Ações da Embraer têm salto na bolsa com encomenda bilionária de empresa de Warren Buffett

NetJets recebeu 100 aeronaves e fez um pedido adicional de até mais 100, em contrato de US$ 1,2 bilhão.

Publicado

em

Fotos: Divulgação/Embraer e Reprodução

As ações da Embraer tiveram alta de 5% nesta segunda-feira (11) ao anunciar uma encomenda bilionária de jatos da companhia aérea da Berkshire Hathaway, empresa de investimentos de Warren Buffett. Foi a maior alta de hoje do Ibovespa, principal índice da bolsa de valores de São Paulo, a B3.

A Embraer afirma que terminou a entrega de 100 jatos executivos Phenom 300 à NetJets, que fez um pedido de até 100 aeronaves adicionais, somando mais de US$ 1,2 bilhão. O primeiro acordo entre as empresas foi assinado em 2010.

Em comunicado, a fabricante brasileira afirmou que a NetJets começará a receber as encomendas no segundo trimestre de 2023, para operação nos Estados Unidos e na Europa.

“Com este novo pedido, que inclui um abrangente contrato de serviços, a NetJets não apenas reforça seu compromisso em criar uma experiência aprimorada para o cliente, à medida que a demanda por aviação privada continua a crescer, mas também sua confiança no inovador portfólio da Embraer para oferecer a experiência perfeita a seus clientes”, diz nota da empresa.

O Phenom 300 é um jato executivo de ocupação máxima de 10 passageiros. Originalmente lançado em 2005, o modelo entrou no mercado em 2008. Liderando o segmento de jatos leves desde 2012, o jato tem sido o avião executivo mais entregue do mundo desde 2013.

Segundo a Embraer, um em cada quatro jatos de pequeno e médio porte entregues no mundo era da família Phenom ou Praetor em 2020. A empresa entregou mais de 1.500 aeronaves do tipo em mais de 80 países.

Recuperação em curso
Em 2021, a Embraer acumula valorização de 194% na bolsa após ano difícil de impacto da pandemia do coronavírus, que afetou todo o setor aéreo. O impulso vem do aumento na demanda por viagens.

No segundo trimestre, a empresa registrou lucro líquido ajustado de R$ 212,8 milhões, primeiro lucro recorrente da companhia desde o primeiro trimestre de 2018.

Em igual período do ano passado, a Embraer havia reportado prejuízo de R$ 1,071 bilhão, em momento em que lutava para reestruturar operações para enfrentar a pandemia e o fracasso de um acordo de 4 bilhões de dólares com a Boeing, destaca a Reuters.

O resultado ajustado exclui impostos diferidos e itens especiais. Já o lucro líquido atribuído aos acionistas totalizou R$ 438,1 milhões no 2º trimestre, contra prejuízo de R$ 1,68 bilhão no mesmo período de 2020 e prejuízo de R$ 489,8 milhões nos 3 primeiros meses de 2021.

A receita líquida ais que dobrou e atingiu R$ 5,9 bilhões no período entre abril e junho, com aumento de 107% em relação ao 2º trimestre do ano passado.

Fonte: https://g1.globo.com/economia/

Comentários
Continue lendo

Economia

INSS: prova de vida deixa de ser obrigatória até o fim do ano

Congresso votou pela suspensão da obrigatoriedade da prova de vida, que havia retornado em junho e a decisão foi promulgada pelo presidente da República.

Publicado

em

Fotos: Divulgação e Reprodução/INSS

Foi publicado nesta quarta-feira (6), em edição extraordinária do Diário Oficial da União (DOU) o decreto do Legislativo, promulgado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que suspende, até o final do ano, a obrigatoriedade da prova de vida junto ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Com isso, aposentados e pensionistas não terão seus benefícios suspensos caso não façam o procedimento.

O presidente Bolsonaro havia vetado a suspensão temporária da prova de vida. No entanto, no dia 27 de setembro o Congresso derrubou o veto presidencial, garantindo a retomada da suspensão até 31 de dezembro.

A prova de vida é obrigatória para aposentados e pensionistas que recebem benefícios por meio de conta corrente, poupança ou cartão magnético. O procedimento serve para evitar fraudes e garante a manutenção do pagamento.

Calendário deixa de valer
A obrigatoriedade da comprovação de que os segurados estão vivos para continuarem recebendo os benefícios previdenciários ficou suspensa desde o início da pandemia e foi retomada em 1º de junho. O INSS divulgou um calendário para os segurados fazerem a prova de vida e não terem os benefícios suspensos. Com a nova suspensão, o calendário deixou de valer.

O INSS informa que os segurados não estão impedidos de fazer a prova de vida, mesmo que a obrigatoriedade esteja suspensa até dezembro.

Segundo levantamento do órgão, feito a pedido do g1, do total de 36.238.880 de pessoas que precisariam realizar a prova de vida nos bancos todos os anos, 31.259.263 já fizeram o procedimento entre 2020 e 2021 (até agosto). Assim, a prova de vida ainda precisaria ser feita por 4.979.617 até 2022.

Enquanto no ano passado apenas 6,5 milhões de pessoas fizeram a prova de vida devido à suspensão da obrigatoriedade em decorrência da pandemia, neste ano, até agosto, já chega a 24,7 milhões o número de segurados que comprovaram que estão vivos para continuar recebendo os benefícios do INSS.

Os estados com maior número de segurados que ainda não fizeram a prova de vida são São Paulo, Minas Gerais e Bahia. Veja na tabela abaixo:

Como fazer a prova de vida
A forma mais comum de fazer a prova de vida é no banco onde o segurado recebe o pagamento do benefício.

Os aposentados e pensionistas que tiverem a biometria bancária cadastrada poderão usar qualquer caixa eletrônico para fazer a prova de vida.

Muitos bancos aceitam qualquer transação realizada como prova de vida, como a retirada de um extrato bancário no caixa eletrônico.

No caso dos beneficiários sem biometria, é possível ir à agência bancária com CPF e documento com foto.

Entre os maiores bancos do país, apenas o Banco do Brasil oferece a opção de fazer a prova de vida por meio do aplicativo.

O segurado fica sabendo que precisa fazer a prova de vida no próprio banco em que recebe o benefício, pelo aplicativo do Meu INSS, caso tenha sido selecionado para fazer a biometria facial, ou pelo telefone 135.

Fonte: https://g1.globo.com/economia

Comentários
Continue lendo

Mais Lidas